SANTA CATARINA
um lugar de belos contrastes!


Situado ao Sul do Brasil, entre o Paraná e o Rio Grande do Sul, o Estado de Santa Catarina recusa definições. É uma terra de mil jeitos. Com pouco mais de 6 milhões de habitantes, reúne, em seus singelos 95,4 mil km², uma diversidade tal de cenários e pessoas que deslumbra todos aqueles que o visitam. Praias de areia branca, matas tropicais e serras nevadas. Pescadores açorianos, agricultores italianos e industriais alemães. Um lugar de belos e definitivos contrastes e, por isso mesmo, extremamente fascinante!

Na economia, estes contrastes se repetem. Uma agricultura forte, baseada em minifúndios rurais, divide espaço com um parque industrial atuante, o quarto maior do país. Indústrias de grande porte e milhares de pequenas empresas espalham-se por seu território, ligadas aos centros consumidores e portos de exportação por uma eficiente malha rodoviária: estradas que também incrementam o turismo. Hoje, o Estado é o terceiro maior pólo turístico nacional.

O equilíbrio e o dinamismo da economia catarinense refletem-se nos elevados índices de crescimento, alfabetização, emprego e renda per capita, muito superiores à média nacional. Números que surpreendem e complementam o perfil fascinante de um dos mais produtivos e belos Estados brasileiros.

Sua diversidade geográfica e humana é surpreendente para um território do tamanho aproximado de países como Áustria, Hungria, Irlanda e Portugal. Uma viagem de poucas horas de carro é suficiente para experimentar mudanças radicais no clima, na paisagem, nos sotaques e nas culturas presentes por lá.

Visitar Santa Catarina é um deleite, tanto para quem quer férias tranqüilas quanto para quem busca a aventura de esportes ligados à natureza: vela, remo, surfe, canoagem, rapel, parapente, asa-delta, alpinismo, trekking... Possui oito estâncias hidrominerais, catorze áreas federais e cinco estaduais de proteção ambiental e dezenas de parques ecológicos municipais.

O povo catarinense

Santa Catarina foi desbravada pelos portugueses — bandeirantes, caçadores de índios e aventureiros —, que espalharam entrepostos e povoados pelo litoral a partir do século 16. Os imigrantes açorianos vieram bem mais tarde, no século 18. Todavia, foram eles que colonizaram e deram forma ao tipo humano extremamente especial que hoje habita os 500 Km de litoral do Estado.

Na segunda metade do século passado, chegaram os alemães, espalhando-se pelo vale do Rio Itajaí, adentrando ao interior em busca de melhores terras e oportunidades. Com trabalho e determinação, construíram a pujante face industrial do Estado. Joinville, Blumenau, Brusque e Pomerode são cidades que preservam esta forte herança germânica em sua arquitetura, culinária, sotaque e concorridas festas populares.

Depois, no final do século 18, foi a vez dos italianos, a maior corrente migratória já recebida naquele território. Ocuparam, principalmente, a região Sul, próxima ao litoral, e, até hoje, cidades como Criciúma, Urussanga e Nova Veneza preservam tradições herdadas dos pioneiros: o cultivo da uva e do vinho, o amor à boa mesa, a alegria e a religiosidade.

Um detalhe. Não podemos esquecer que o mosaico de tipos humanos que fundiu o catarinense de hoje inclui, ainda, os tropeiros que faziam a rota entre o Rio Grande do Sul e São Paulo: os japoneses, os austríacos e os gaúchos, que ocuparam as férteis terras da região Oeste. Todos responsáveis pela rica diversidade cultural e sociológica desse Estado que tem vocação para ser belo.

Circuito das festas

O povo de Santa Catarina, multifacetado étnica e culturalmente, possui uma característica comum: o gosto pelas festas. Além do Circuito de Festas de outubro — liderado pela Oktoberfest — durante todo o ano pelo menos dez grandes festas animam o Estado com diversos motivos: étnicos, religiosos e culturais. Todos eles reafirmam o jeito alegre e descontraído do catarinense.

E, como não poderia ser diferente, é também em Santa Catarina que acontece o maior congresso missionário evangélico do Brasil. Estamos falando do Encontro Nacional de Missões dos Gideões da Última Hora que, este ano, em sua 23ª edição, realizar-se-á em Camboriú, entre os dias 21 e 25 de abril, com o tema: “Ainda há muitas terras para conquistarmos! Quem irá? Quem irá?”. O evento, liderado pelo pastor Cesino Bernardino, receberá, como sempre acontece, centenas de caravanas de todo o país. Estimativas têm dado conta de que mais de cem mil pessoas de diferentes denominações participam anualmente do Encontro.

Mais informações

Porcentual de evangélicos na população:
 
16,6%, o que corresponde a quase 1 milhão de crentes
 
Municípios com menos de 1% de evangélicos:
 
Antônio Carlos
Botuverá
Cordilheira Alta
Lindóia do Sul
 
Congresso de Missões dos Gideões:
 
Informações gerais - informe@gmuh.com.br
Telefones para contato - (47) 261-3232
Site - www.gideoes.com/encontros/23/index.htm
 
Curiosidades:
 
Oktoberfest. A festa do chopp de Blumenau é o maior evento popular do país, depois do Carnaval, e atrai quase um milhão de visitantes. Durante dezessete dias, são consumidos cerca de quatrocentos mil litros de chope, ao som de bandinhas típicas da Alemanha. Infelizmente, o principal atrativo dessa festa é a bebida alcóolica que, sem grandes restrições, deixa seus resultados negativos: crimes, vandalismo e violências.
 
Pomerode. É a cidade mais alemã do Brasil. Marcada pela arquitetura, culinária e músicas germânicas, destaca-se ainda pelo bilingüismo com 95% da sua população falando fluentemente o alemão.
 
Adventistas. Os primeiros membros desse grupo surgem em 1879, em Santa Catarina. Em 1896, é organizada como igreja legal nas cidades catarinense de Brusque e Gaspar Alto.
 
Conheça o mapa interativo do Estado:
 
www.mapainterativo.ciasc.gov.br

 

 

 

 


Copyright © 2017 ICP. Todos os direitos reservados.