Apologética



Os mistérios da Cabala


O misticismo – a busca da verdade suprema por meio de rituais misteriosos e experiências subjetivas — há séculos exerce fascínio sobre a humanidade. Sob a alegação de proporcionar uma compreensão mais profunda dos segredos complexos e enigmáticos do Universo, o misticismo promete aos interessados a sua inclusão num grupo de elite, seduz ao oferecer garantias de elucidar o sentido da vida e fascina com a promessa de levar a pessoa a uma relação mais íntima com Deus.

Durante toda a história humana, as culturas têm produzido suas versões do misticismo. O povo judeu não é exceção. A forma mais influente e expressiva de misticismo judaico se desenvolveu em Israel, na Babilônia e em certas regiões da Europa, entre os séculos 10° e 18 d.C. Em grande parte, originou-se de uma reação contra o judaísmo estéril e filosófico daqueles dias. E ficou conhecida como Cabala (“Tradição”). O rabino Meyer Waxman descreveu a Cabala como “uma síntese desordenada de todos os elementos do misticismo que sempre achou expressão no judaísmo”.

Na verdade, existem duas correntes de pensamento na Cabala: a prática e a especulativa. A Cabala prática enfoca o uso de fórmulas místicas para realizar milagres ou obras sobrenaturais. Pela manipulação dos nomes de Deus, de anjos e das próprias letras de palavras da torah (a lei ou Pentateuco), a Cabala prática alega que certas combinações podem ser feitas para produzir qualquer feitiço, encantamento ou resultado que se deseje, seja a cura de um doente, seja o sucesso nos negócios.

A Cabala especulativa, que incorpora e se impõe sobre a Cabala prática, é mais teórica. Lida com certas questões, tais como: a maneira pela qual um Deus infinito pode criar e se relacionar com um mundo físico e finito. Segundo a Cabala, a resposta para tal questão é: pela mediação.

A mediação é efetuada por intermédio de anjos, bem como por intermédio das dez emanações de Deus, denominadas “sephiroth”. Essas sephiroth, conforme escreveu o rabino Waxman, “são manifestações tanto da essência (de Deus) quanto dos agentes de sua vontade” na terra. É por meio dessas manifestações que o mundo veio a existir e tem sido preservado, organizado e governado”. As dez sephiroth juntas são simbolicamente representadas pela figura de um corpo humano, ou pela árvore da vida, ou por círculos concêntricos, ou, ainda, pela luz em suas diversas gradações.

Outra influente doutrina da Cabala é a concepção de que tudo possui dois poderes ou energias inerentes: a ativa e a passiva, e são simbolizadas por macho e fêmea. A Cabala apregoa que a própria alma humana constitui-se tanto de uma parte masculina quanto de outra parte feminina. Os adeptos creem que a alma preexistente, ao descer dos mundos superiores, se subdivide nessas duas partes: a parte masculina entra num homem e a parte feminina entra numa mulher. Se um homem vive uma vida justa, ele se casará com aquela mulher que possui a outra parte de sua alma; ou seja, a sua “alma gêmea”.

A principal obra escrita da Cabala é o Zohar (“Esplendor”). Trata-se de um enigmático comentário da torah, cuja ênfase recai na busca de um significado oculto ou místico que esteja além do sentido normal e literal do texto bíblico.

O povo judeu já estuda a Cabala há muito tempo. Contudo, nas últimas quatro décadas, o interesse por ela cresceu de maneira significativa, especialmente entre certos artistas de Hollywood, como Madonna, por exemplo, que assumiu publicamente ser praticante da Cabala. O estilo pop da Cabala dessas celebridades, defendido por uma organização sem fins lucrativos sediada em Los Angeles, denominada The Kabbalah Centre (Centro da Cabala), tem sido censurado pelos cabalistas tradicionais pelo fato de franquear os ensinos secretos da Cabala aos que não são judeus e por banalizar suas doutrinas. Os tradicionalistas também criticam o The Kabbalah Centre por sua visão comercial e busca de lucros (por exemplo, por vender amuletos da sorte, tais como o popular cordão vermelho que está na última moda, ou a pulseira dobrável que se ajusta ao pulso para proteger do mau-olhado. E por fazer propaganda de uma nova bebida energética cabalística).

A Cabala contraria totalmente os ensinos da Bíblia. No que se refere à mediação, a Palavra de Deus declara: “Porquanto há um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem” (1Tm 2.5). No que diz respeito aos segredos, o apóstolo Paulo lembra aos crentes em Cristo de Colossos que nenhum segredo místico pode ter a pretensão de se comparar ao segredo revelado por Deus. A saber: Jesus, o Messias, “em quem todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento estão ocultos” (Cl 2.3).

Moisés declarou: “As coisas encobertas pertencem ao Senhor, nosso Deus, porém as reveladas nos pertencem, a nós e a nossos filhos, para sempre, para que cumpramos todas as palavras desta lei” (Dt 29.29).

Há certas coisas que Deus reservou para si e não revelou. Entretanto, não temos necessidade de nos preocupar com elas. Pelo contrário, a nossa atenção e obediência devem estar voltadas para aquilo que Ele revelou em sua Palavra escrita. Deus planejou para nós o ensino claro das Escrituras e não esse amontoado de bobagens sutis reservadas a poucos de uma “elite” (1Tm 6.20; 2Tm 1.13).


As dez sephiroth


Segundo os estudos cabalísticos, sefirot (também grafado sephiroth, cujo singular é sephira ou sefira) são as dez emanações de ain soph na cabala. Segundo a cabala, ain soph é um princípio que permanece não manifestado e é incompreensível à inteligência humana. Desse princípio, emanam as sefirot em sucessão. Esta sucessão de emanações forma a árvore da vida. As sephiroth emanadas são, na sequência:

1. Kether - Coroa

2. Chokmah - Sabedoria

3. Binah - Entendimento

4. Chesed - Misericórdia

5. Geburah - Julgamento

6. Tipareth - Beleza

7. Netzach - Vitória

8. Hod - Esplendor

9. Yesod - Fundamento

10. Malkuth - Reino

Há, ainda, um décimo primeiro sefira chamado Ddaath, que representa o abismo, o caos e, normalmente, não é representado na árvore da vida, sendo considerado um portal para as qliphoth, que são as sephiroth adversas. Conforme creem os místicos cabalistas, na árvore da vida, as Sefirot estão alinhadas em três pilares conectados entre si por meio de vinte e duas ligações. Também se dispõem em três camadas triangulares e sucessivas, cada uma delas associada a um mundo (atziluth, o mundo das emanações; beriah, o mundo das criações; e yetzirah, o mundo das formações), mais malkuth na base (correspondendo a asiyah, o mundo das ações).


Por Bruce Scott


  • Leia também

    Bíblia Apologética com Apócrifos Série Apologética Curso Teologia Online Curso Básico de Teologia Curso Médio de Teologia Curso Bacharel de Teologia
    Contato
    Siga

    © 2017 - 2019 ICP - Instituto Cristão de Pesquisas. Todos os direitos reservados