Apologética



Testemunhas de Jeová - Parte X – A ressurreição de Jesus


As TJs crêem que Jesus não ressuscitou corporalmente:

Então que aconteceu ao corpo carnal de Jesus? Não encontraram os discípulos o seu túmulo vazio? Sim, porque Deus removeu o corpo de Jesus (“Poderá Viver para Sempre no Paraíso na Terra”, p. 144/8) Continuam com sua negação à ressurreição corporal de Jesus, dizendo: Mas, visto que foi possível o apóstolo Tomé pôr sua mão no orifício no lado de Jesus, não mostra isso que Jesus foi ressuscitado no mesmo corpo que foi pregado na estaca? Não, pois Jesus simplesmente se materializou, ou assumiu um corpo carnal... A fim de convencer Tomé quanto a quem Ele era, Ele usou um corpo com marcas de ferimento (“Poderá Viver Para Sempre no Paraíso na Terra”, p. 144).

Resposta Apologética:

Jesus afirmou que ressuscitaria corporalmente – Mt 12.40; Jo 2.19-22;

O corpo de Jesus não foi encontrado no túmulo – Lc 24.1-6;

Jesus afirmou aos discípulos que não era um espírito, mas que tinha corpo com carne e ossos – Lc 24.36-43;

Jesus disse a Tomé que tocasse nele. Estaria Tomé sendo ludibriado por Jesus? – Jo 20.27;

Estêvão o viu como o Filho do Homem em pé – At 7.55-56; Jesus, como mediador entre Deus a os homens, retém seu corpo de homem – 1 Tm 2.5;

Em Jesus habita corporalmente toda a plenitude da divindade – Cl 2.9.

A PERSONALIDADE DO ESPÍRITO SANTO

Não é fora de propósito perguntar: de onde vem essa obsessão das TJs contra a natureza e personalidade do Espírito Santo? Por que em Mt 4.1-3 grafam Diabo e Tentador com letras maiúsculas e espírito santo e filho de Deus com letras minúsculas? Seria isso por ignorância? Certamente que não. Na literatura publicada pela Sociedade Torre de Vigia há um desprezo pela pessoa de Jesus e do Espírito Santo, tratando Jesus como simples criatura e o Espírito Santo como uma força ativa.

Os ensinos da Torre de Vigia quanto ao Espírito Santo são tão estapafúrdios que já ensinaram que o Espírito Santo já cessou seu trabalho de advogado junto ao Pai, como se lê das palavras de Jesus em Jo 14.16, 26; 15.26. Afirmavam elas: Quando o espírito santo cessou sua missão de confortador e advogado... (“Jeová”, p. 204).

Resposta Apologética:

Nas passagens indicadas Jesus declarou que o Espírito Santo como Paracleto (Advogado) estaria conosco para sempre e as TJs afirmavam que o Espírito Santo já tinha cessado sua missão. Em quem acreditar?

Jesus ensinou em Mt 12.31-32 que o único pecado imperdoável ao homem é a blasfêmia contra o Espírito Santo. Quer dizer que podemos ofender o Espírito Santo de tal maneira que não resta perdão para o ofensor (Is 63.10).

Jesus falou acerca do Espírito Santo como alguém ou quem, ou seja, como o Paráclito ou Consolador. Foi usada a palavra allon para referir-se ao outro Consolador –Jo 14.16-17, 26; 15.26; 16.7-8,13-15.

ATRIBUTOS DE PERSONALIDADE DO ESPÍRITO SANTO:

Personalidade é todo ser que possui os atributos de inteligência, que é a capacidade de conhecimento; vontade própria ou volição, que é capacidade de escolher, decidir; e sensibilidade ou emoção, ou capacidade de sentir alegria e tristeza, amar ou odiar.

Espírito Santo possui inteligência, conhecendo todas as coisas até as profundezas de Deus – 1 Co 2.10;

Espírito Santo possui vontade própria, podendo distribuir dos seus dons a qualquer pessoa como Ele quer ou como lhe apraz – 1 Co 12.11;

Espírito Santo possui emoção, podendo ser entristecido – Ef 4.30.

ESPÍRITO SANTO EXERCE ATIVIDADES PESSOAIS:

Espírito Santo fala – Mt 10.20; At 10.19-20; Ap 22.17;

Espírito Santo ensina – Lc 12.12; Jo 14.16;

Espírito Santo testifica – Jo 15.26; Rm 8.16.

QUAL A POSIÇÃO DO ESPÍRITO SANTO?

Espírito Santo é uma pessoa divina – At 5.3-4; Espírito Santo não pode ser blasfemado – Mt 12.21,32.

OBJEÇÕES CONTRA A PERSONALIDADE DO ESPÍRITO SANTO

Objeção 1

Quanto ao ‘Espírito Santo’, a suposta terceira Pessoa da Trindade, já vimos que não se trata de uma pessoa, mas da força ativa de Deus. João, o Batizador, disse que Jesus batizaria com o espírito santo, assim como João batizava em água. Portanto, assim como água não é pessoa, tampouco o espírito santo é pessoa. O que João predisse cumpriu-se depois da morte e ressurreição de Jesus, quando o espírito santo foi derramado sobre os seguidores deste, reunidos em Jerusalém (“Poderá Viver Para Sempre no Paraíso na Terra”, p. 40/17).

Resposta Apologética:

Descrevendo a descida do Espírito Santo sobre primeiros seguidores de Jesus (At 2.1-4), a Bíblia afirma: E, foram vistas por eles línguas repartidas, como que de fogo e que esses primeiros seguidores de Jesus começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem. Conforme o texto, o autor inspirado distingue muito bem os seguintes pontos:

a) o poder ou a capacidade dos discípulos de falarem em outras línguas;

b) o Espírito Santo que concede este poder: aqui temos o caso de Alguém que doa e da coisa em si doada, ou seja, o Espírito Santo e a capacidade de falar em outras línguas. Isto corresponde exatamente à promessa feita por Jesus aos seus discípulos no dia da sua ascensão: ...recebereis a virtude do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas... (At 1.8), estabelecendo uma clara distinção entre o Espírito Santo e a virtude que dele provém.

Objeção 2

Ficaram eles ‘cheios’ de uma pessoa? Não, mas ficaram cheios da força ativa de Deus (“Poderá Viver Para Sempre no Paraíso na Terra”, p. 40/17).

Resposta Apologética:

At 1.8, como já vimos, declara que eles começaram a falar noutras línguas conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem. Tudo isso, como virtude do Espírito Santo que veio sobre eles. Ser cheio do Espírito Santo quer dizer ser cheio da virtude do Espírito Santo. Quando a Bíblia diz que eles ficaram cheios do Espírito Santo não quer dizer que ficaram cheios de uma pessoa, mas repletos da virtude que proporcionava a presença do Espírito Santo. Muito interessante é observar que, enquanto as TJs fazem objeção que uma pessoa não pode ser cheia de outra, ensinam que Satanás é uma pessoa e admitem que Judas se tornou cheio de Satanás, quando este entrou em Judas (Lc 22.3).

Objeção 3

Se uns 120 discípulos ficaram simultaneamente cheios do espírito santo, como poderia este ser uma pessoa? (“Poderá Viver Para Sempre no Paraíso na Terra”, p. 41).

Resposta Apologética:

Repetimos que devemos compreender muito bem o que diz o texto, distinguindo o Espírito Santo, como Pessoa divina, dos dons que ele outorga, os quais podem ser dispensados não só a 120 discípulos, mas a milhões de pessoas que, na qualidade de seguidoras de Jesus, são dóceis ao Espírito Santo (A Santíssima Trindade, p. 60). Pedro afirmou que o Dom do Espírito Santo seria concedido a todos os que se arrependessem e cressem em Jesus como Senhor e Salvador (At 2.37-41). Interessante que as TJs nenhuma dificuldade encontram quando Jesus promete que os que cressem nele, viriam Ele e o Pai e fariam morada nessa pessoa (Jo 14.23). Como poderia o Pai a Jesus, como pessoas, habitar em milhões de pessoas?


  • Leia também


    Bíblia Apologética com Apócrifos Série Apologética Curso de Teologia On-line Curso Básico de Teologia Curso Médio de Teologia Curso Bacharel de Teologia

    © 2017 - 2020 ICP - Instituto Cristão de Pesquisas. Todos os direitos reservados.

    Ícones feitos por Freepik from www.flaticon.com