Apologética



Igreja Seicho-No-Ie – Parte 08 – Identifica-se com o cristianismo?


A Seicho-No-Ie afirma que representa o autêntico ensinamento de Jesus, dizendo: As pessoas que seguem o cristianismo deverão ultrapassar as formalidades e deslumbrar diante da Verdade da Seicho-No-Ie que explica a realidade dos ensinamentos de Jesus Cristo, abrindo os olhos para o real cristianismo (“Acendedor”, Associação dos Moços da Seicho-No-Ie no Brasil. Ano 2, 1966, nº 3, p. 38).

8.1 – ENSINOS DETURPADORES SOBRE JESUS

8.1.1 – JESUS FEZ JEJUM E PRÁTICAS ASCÉTICAS PARA ALCANÇAR

A VERDADE:

Jesus fez jejum e outras práticas ascéticas durante quarenta dias e quarenta noites à beira do rio Jordão para alcançar a Verdade, mas aqueles que ouvem os seus ensinamentos podem ceifar sem maiores esforços e sem passar por aqueles sofrimentos. A semente do Homem Filho de Deus foi conseguida a custo através de jejum e outros sacrifícios (“Acendedor”, Associação dos Moços da Seicho-No-Ie no Brasil. Ano 3, 1967, nº 9, p. 49).

Resposta Apologética:

Imaginemos se é bíblico o ensino da Seicho-No-Ie em afirmar que Jesus fez jejum e práticas ascéticas para alcançar a verdade. Em João 1.9 se declara ser Ele a verdadeira luz que, vinda ao mundo, ilumina a todo o homem. Jesus declarou ser o caminho; a verdade e a vida e não que praticou ascetismo para alcançar a verdade (Jo 14.6). Disse que: quem o segue não anda em trevas, mas tem a luz da vida (Jo 8.12).

8.1.2 – JESUS NÃO PROPAGOU UMA RELIGIÃO ESTRITA

Nem neste monte, nem em Jerusalém adorareis o Pai. Jesus não propagou uma religião estrita. Ele disse que o homem é filho do Deus único e pode orar de onde e como quiser. Assim como Jesus disse, surgiu o ensinamento da Seicho-No-Ie que faz adorar o único Deus através de todas as religiões (“Acendedor”, Associação dos Moços da Seicho-No-Ie no Brasil. Ano 3, 1967, nº 8, p. 50)

Resposta Apologética:

Ora, Jesus afirmou que existem apenas duas portas e dois caminhos. Um desses caminhos leva à vida, o outro leva à perdição (Mt 7.13-14). Conseqüentemente, é impossível admitir que Jesus tivesse ensinado adorar o Deus único através de todas as religiões, porque nem todas as religiões são monoteístas, sendo algumas delas politeístas e panteístas, como é o caso da Seicho-No-Ie que ensina: A mão é uma, porém dela saem cinco dedos, cada qual com diferentes funções. Do mesmo modo, de um Deus único manifestam-se vários deuses com suas respectivas funções (“Acendedor”, Associação dos Moços da Seicho-No-Ie no Brasil. Ano 9, 1973, nº 52, p. 25) (Destaque nosso). Isso é politeísmo. O hinduísmo é politeísta.

8.1.3 – O HOMEM E DEUS

Diz mais a Seicho-No-Ie: O homem é o próprio Deus e por isso possui tudo dentro de si (“Acendedor”, Associação dos Moços da Seicho-No-Ie no Brasil. Ano 9, 1973, nº 55, p. 8) Outra declaração comprometedora: Deus é o todo em tudo (“Acendedor”, Associação dos Moços da Seicho-No-Ie no Brasil. Ano 3, 1967, nº 9, p. 7) Isso é panteísmo, ensino segundo o qual tudo é Deus. O panteísmo pregado pela Seicho-No-Ie é visto ainda na seguinte declaração: A maior entre todas as descobertas é a descoberta do verdadeiro eu. O verdadeiro eu é o Deus onipotente (“Acendedor”, Associação dos Moços da Seicho-No-Ie no Brasil. Ano 3, 1967, nº 8, p. 10). Filho de Deus não significa ser ele menos do que Deus (“Acendedor”, Associação dos Moços da Seicho-No-Ie no Brasil. Ano 3, 1967, nº 9, p. 7).

Resposta Apologética:

Nesse ensino a criatura é identificada como o próprio Criador. O verdadeiro eu (o subconsciente) é o próprio Deus. Homem e Deus são um.

Isso é panteísmo. O taoísmo e o budismo são panteístas; logo temos religiões diferentes com diferentes deuses.

A Bíblia condena tanto o politeísmo como também o panteísmo. Apresenta o conceito de um Deus pessoal que criou o universo (Gn 1.1). Embora esteja presente em todos os lugares, dado que é onipresente (Jr 23.23-24), tem sua existência separada das obras por Ele criadas ou da própria natureza. Ele transcende a sua criação e não se mistura com a natureza (At 17.24-29). Lemos ainda em Isaías 43.10: Vós sois as minhas testemunhas, diz o Senhor, o meu servo, a quem escolhi; para que o saibais, e me creiais e entendais que sou eu mesmo, e que antes de mim deus nenhum se formou, e depois de mim nenhum haverá. Ainda lemos em Deuteronômio 5.7: Não terás outros deuses diante de mim. Isaías 44.24: Assim diz o Senhor, teu redentor, o que te formou desde o ventre: Eu sou o Senhor que faço tudo, que sozinho estendo os céus, e espraio a terra por mim mesmo.

8.1.4 – TODOS OS HOMENS SÃO FILHOS DE DEUS

Essa afirmação é feita da seguinte maneira: Todos os homens são filhos de Deus, assim Jesus não é o filho unigênito. E, nenhum homem consciente iria abrandar a própria cólera fazendo sofrer e matando o seu filho único pelos pecados cometidos por outras pessoas. Ademais, Deus, que é perfeito amor, não iria fazer isto (“Acendedor”, Associação dos Moços da Seicho-No-Ie no Brasil. Ano 3, 1967, nº 8, p. 13).

Resposta Apologética:

Quando lemos essas palavras de Taniguchi, não podemos deixar de concluir que ele não passa de um homem natural e, como tal, não entende das coisas de Deus, realmente (1 Co 2.14). Os homens tornam-se filhos de Deus quando aceitam Jesus como seu Salvador pessoal. Mas a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus; aos que crêem no seu nome (Jo 1.12).

8.1.5 – JESUS E NÓS SOMOS O VERBO E UNIGÊNITOS DE DEUS

A Seicho-No-Ie estende a divindade de Jesus para todos os seres humanos, dizendo: Quem nasceu de Deus, Deus será. É o Verbo que se faz carne, e habitou entre nós. E vimos a sua glória, como a glória do unigênito do pai, cheio de graça e de verdade. Aqui diz: o verbo se fez carne e habitou em nós. Preste atenção na aplicação do plural. O verbo não habitou somente em Jesus Cristo. Todos nós somos unigênitos de Deus. Há muitos unigênitos. Quem não compreende o que é unigênito, vive iludido, é como um filho pródigo que parte para uma viagem sem destino (“Acendedor”, Associação dos Moços da Seicho-No-Ie no Brasil. Ano 2, 1966, nº 2, p. 34)

Resposta Apologética:

Em Jo 1.1 encontramos uma declaração solene da divindade absoluta de Jesus. Diz o texto: No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. O texto, formado por três sentenças, não deixa dúvidas sobre três aspectos da pessoa de Jesus. Quando lemos: l) No princípio era o Verbo: encontramos uma declaração sobre a eternidade de Jesus. O Verbo sempre existiu co-eternamente com Deus, o Pai (Mq 5.2; Jo 8.58); 2) e o Verbo estava com Deus: esta cláusula fala da distinção de pessoas. O Verbo co-existia lado a lado, frente a frente com Deus, o Pai; e por fim: 3) e o Verbo era Deus: O que indica que o Verbo era, em sua natureza divina, o que Deus era, Deus na sua plenitude (Cl 2.9).

O texto de Jo 1.14 não diz que o verbo se fez carne e habitou em nós, porém, que habitou entre nós. E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade. Jesus habitou entre nós – repetindo – e não em nós. Não temos a natureza de Jesus, mas temos comunhão com Jesus (1 Jo 1.3).

8.1.6 – A NEGAÇÃO DA RESSURREIÇÃO CORPORAL DE JESUS

Diz a Seicho-No-Ie sobre a ressurreição de Jesus: Quem considera a ressurreição de Jesus como um mero aparecimento de seu corpo astral perante os discípulos não conhece o profundo significado da mesma (“Acendedor”, Associação dos Moços da Seicho-No-Ie no Brasil. Ano 3, 1967, nº 8, p. 19).

Continua a negação da ressurreição corporal de Jesus, e a Seicho-No-Ie ensina: Jesus se ressuscitou em espírito. O verdadeiro significado da ressurreição de Jesus após a morte na cruz é: ressuscitar no fundo do subconsciente de toda a humanidade a convicção de que o homem é filho de Deus, após anular a consciência do filho do pecado através do sofrimento de Jesus. Não é a ressurreição de somente uma pessoa, mas a ressurreição de toda humanidade (“Acendedor”, Associação dos Moços da Seicho-No-Ie no Brasil. Ano 3, 1967, nº 08, p. 20, junho de 1967).

Resposta Apologética:

Ora, a ressurreição corporal de Jesus é assunto muito importante na Bíblia, como lemos em 1 Co 15.1-6,14-17. Não se trata de uma ressurreição espiritual, pois, não tendo Jesus pecado, não precisava ressuscitar espiritualmente, que é um sentido figurado de quem, sendo pecador, nasce de novo, ou se torna nova criatura, quando aceita a Cristo como Salvador (2 Co 5.17; Ef 2.1-3; Cl 3.1-5). Jesus ressuscitou corporalmente dentre os mortos. No primeiro dia da semana, muito de madrugada, foram elas ao sepulcro, levando as especiarias que tinham preparado, e algumas outras com elas. E acharam a pedra revolvida do sepulcro. E, entrando, não acharam o corpo do Senhor Jesus (Lc 24.1-3). O restante de Lucas 24.36-43 declara que essa ressurreição de Jesus foi corporal. Ainda quando Tomé duvidou da ressurreição física de Jesus, Jesus permitiu que Tomé lhe tocasse: Depois disse a Tomé: Põe aqui o teu dedo, e vê as minhas mãos; e chega a tua mão, e põe-na no meu lado; e não sejas incrédulo, mas crente. E Tomé respondeu e disse-lhe: Senhor meu, e Deus meu! (Jo 20.27-28). Isso é ensino fundamental da Bíblia.

8.1.7 – JESUS É IGUAL A BUDA

Ensinam: Sakia Muni (Buda) e Jesus foram os máximos entre os mestres (“Acendedor”, Associação dos Moços da Seicho-No-Ie no Brasil. Ano 2, 1966, nº 2, p. 33).

Resposta Apologética:

Buda foi considerado mestre iluminado quando descobriu a razão do sofrimento humano. Admitiu que sua iluminação se deu quando definiu que o sofrimento humano era resultado do desejo. Jesus afirmou que o sofrimento era conseqüência do pecado, usando o seu direito de livre-arbítrio (Gn 2.16-17; 3.1-9; Rm 5.12) e para eliminar o sofrimento do homem morreu por nós no Calvário (Mt 16.21-23; 26.26-28).

8.2 – FALSOS MILAGRES

8.2.1. – SALVO DA MORTE

São atribuídos milagres à leitura das publicações, notadamente as sutras sagradas e a Shinsokan. Lemos de alguns milagres atribuídos a tais publicações: Durante a guerra também houve um soldado que foi salvo pelo KANRO NO HOOU, que contém as palavras da Verdade. A bala inimiga dirigida para ele acertou e ficou retida no KANRO NO HOOU, que carregava consigo e ele saiu ileso (“Acendedor”, Associação dos Moços da Seicho-No-Ie no Brasil. Ano 9, 1973, nº 52, p. 37).

8.2.2. – SONO DE CRIANÇAS

Fazer a criança dormir ouvindo a leitura do KANRO NO HOOU, que fala sobre o homem-filho de Deus e Perfeito, é também um bom método (“Acendedor”, Associação dos Moços da Seicho-No-Ie no Brasil. Ano 9, 1973, nº 51, p. 21).

8.2.3 – MOSQUITOS E PERCEVEJOS SÃO BENEFICIADOS PELA SHINSOKAN

O Sr. Endo, pela leitura do livro “A VERDADE DA VIDA” e a sutra sagrada KANRO NO HOOU, compreendeu a Verdade de que o homem é filho de Deus e que todos os seres vivos são irmãos. E concentrando o pensamento em Deus, que é a origem do filho de Deus, os mosquitos, que são seus irmãos, ficaram fazendo o shinsokan em harmonia com ele, sem lhe sugar o sangue (“Acendedor”, Associação dos Moços da Seicho-No-Ie no Brasil. Ano 9, 1973, nº 52, p. 35)

O homem é filho de Deus, e irmão de todos os seres, até os percevejos, que parecem ter nascido para sugar o homem, passam a não ferir mais o homem (“Acendedor”, Associação dos Moços da Seicho-No-Ie no Brasil. Ano 9, 1973, nº 52, pp.34-36).

Resposta Apologética:

Jesus profetizou o surgimento de falsos profetas e falsos cristos que fariam sinais e prodígios que, se possível, enganariam até os escolhidos. Porque surgirão falsos cristos e falsos profetas, e farão tão grandes sinais e prodígios que, se possível fora, enganariam até os escolhidos (Mt 24.24). Uma pergunta deve ser respondida pelos adeptos da Seicho-No-Ie: quando um mosquito ou percevejo suga o seu sangue, terá ele coragem de matar seu irmão?

8.2.4 – O CÂNCER NÃO EXISTE

Na seção Perguntas e Respostas, lemos:

Pergunta: Tive câncer de mama, e a mama esquerda foi retirada. Realizei tratamentos radioterápicos e quimioterápicos, mas o câncer tornou a manifestar-se no mesmo local. Eu acredito na Seicho-No-Ie, pratico a Meditação Shinsokan, realizo o culto aos antepassados, faço a oração do perdão e leio as sutras sagradas. Apesar de tudo, por que houve a recidiva do câncer? Desde a primeira cirurgia, tenho praticado o que a Seicho-No-Ie ensina.

Resposta: A Seicho-No-Ie ensina que o homem é filho de Deus, o câncer não existe originariamente, o câncer manifestado é projeção da mente. Por que um filho de Deus originariamente saudável manifesta doenças? A causa está na mente e nos atos condizentes com seu estado mental. As práticas religiosas da Seicho-no-Ie não são realizadas com o fim de curar doenças. O seu ponto fundamental é agradecer aos antepassados, aos pais, aos irmãos, a todas as pessoas, a todas as coisas e a todos os fatos (“Fonte de Luz”, Associação dos Moços da Seicho-No-Ie no Brasil. Ano 29, 1993, nº 277, pp. 36-37) (Destaque nosso).

Resposta Apologética:

Quantas mortes tem provocado esse ensino que leva os doentes com câncer a negar a realidade da enfermidade durante o período em que ainda se poderiam tomar providências médicas que viessem contribuir para a saúde do paciente. Param os adeptos da Seicho-No-Ie de reconhecer a existência da enfermidade apenas quando estão nos caixões mortuários e já não podem gritar: Não estou doente! Não estou doente, pois a doença não existe. Tudo é apenas uma miragem da nossa mente.


  • Leia também


    Bíblia Apologética com Apócrifos Série Apologética Curso de Teologia On-line Curso Básico de Teologia Curso Médio de Teologia Curso Bacharel de Teologia
    Contato
    Siga

    © 2017 - 2020 ICP - Instituto Cristão de Pesquisas. Todos os direitos reservados


    Ícones feitos por Freepik from www.flaticon.com