Apologética



Ordem Rosa Cruz – Parte 14 – Ensinos sobre Jesus Cristo


O ensino da Ordem Rosacruz sobre a pessoa de Jesus é variado e esdrúxulo, emitindo conceitos que jamais poderiam ser aceitos por um cristão ortodoxo conhecedor das doutrinas fundamentais da Bíblia. A Bíblia registra a pergunta de Jesus aos seus discípulos: Quem diz o povo ser o Filho do homem? (Mt 16.13). Os discípulos deram a resposta que ouviam do povo. Vamos agora expor o que os rosacrucianos ensinam sobre Jesus e o confronto com a Bíblia.

A Ordem Rosacruz ensina que:

a) Jesus foi a culminação da evolução de outros grandes iluminados:

Jesus foi, inquestionavelmente, a culminação da evolução de centenas dos grandes místicos e seres inspirados dos séculos anteriores.37

Resposta Apologética:

Jesus não pode ser comparado a qualquer outro líder religioso, pois colocava ênfase em Si mesmo, Ele é o próprio Deus (Jo 1.1; 10.30), e o caminho para a salvação dos pecadores (Mt 16.13-16; Jo 14.6). Ao passo que os outros enfatizavam os próprios ensinos (Mt 7.28-29).

Jesus comprovou sua autoridade fazendo afirmações tão fantásticas que causaram protestos dos seus circunstantes. Quando contestado, operava milagres para confirmar sua autoridade divina (Mc 2.5-7).

b) Jesus visitou outras terras dos 12 aos 30 anos:

E altamente significativo que depois que Jesus completou doze anos, e começou as suas viagens para outras terras para estudar, eventualmente voltou para Heliópolis onde ingressou no mosteiro da G.FB. Esses fatos da vida de Jesus estão expostos no livro intitulado “A Vida Mística de Jesus”, que concluí depois que voltei da Palestina e Egito, onde obtive os fatos definitivos e os necessários manuscritos para compilar a história completa, que é apresentada nesse livro.38

c) Jesus estudou as diversas religiões a escolas de mistério nos países visitados:

No tempo devido, Jesus o Homem-Deus nasce a cresce até se tornar um homem adulto normal, natural. A Igreja Cristã é tradicionalmente omissa quanto ao que se passou com Jesus durante o período de sua adolescência a juventude. A tradição da nossa Ordem afirma que ele estava sendo treinado nas diversas religiões a escolas de mistério, aprendendo a lidar com todos os tipos de personalidade e a ensinar ao povo de sua época as grandes verdades sobre o significado da vida.39

Resposta Apologética:

Jesus nunca se retirou da Palestina nem foi estudar em escolas místicas:

1. Não permitiu que seus discípulos saíssem fora do povo judeu (Mt 10.5-6), pois a Bíblia diz que Ele veio para o seu povo (Jo 1.11);

2. Era conhecido como o filho do carpinteiro da cidade de Nazaré, onde fora criado (Lc 2.52; 4.16-18; Mc 6.1-4);

d) A Segunda Vinda de Jesus é o reconhecimento do espírito crístico:

É o espírito Crístico ou o Christus no interior que representa o Eu psíquico, divino. E o Cristo em nosso interior que nos faz sarar, projetar nossos pensamentos e captar os pensamentos dos outros, controlar as circunstâncias em nosso ambiente e regular as condições existentes em nosso corpo. No momento em que os Rosacruzes começam a desenvolver esses poderes psíquicos, essas faculdades a tendências, despertam, avivam e reconhecem o Cristo em seu interior.

Portanto, a idéia que esposa a Segunda vinda de Jesus a Terra, para novamente salvar o mundo, não é a compreensão que têm os Rosacruzes. A segunda vinda de Jesus, o Cristo, é o reconhecimento da existência em nossa própria alma e consciência do espírito Crístico, ou Christus.40

e) E aguardado um novo Cristo que nascerá na terra, que será o próximo salvador mundial:

Nós que podemos ver o futuro, compreendemos que o próximo grande salvador mundial, o próximo Cristo do homem, e o filho de Deus, nascerá livre de qualquer relação com qualquer organização, com qualquer seita ou religião, com qualquer movimento que seja limitado a certas pessoas ou crenças.41

Resposta Apologética:

Jesus é o único Salvador e fora dele não há salvação (At 4.12); logo, aguardar um novo Salvador mundial é aguardar um anticristo e não o Cristo (1 Jo 2.18).

f) Maria, José e o próprio Jesus eram essênios:

A mãe e o pai de Jesus tinham vivido na comunidade essênica. José era um membro dos graus elevados da Irmandade, enquanto que Maria era uma virgem vestal, em um dos templos da Irmandade.

Assim, Jesus nasceu na Irmandade Essênia; mas a Irmandade Essênia não constituía uma religião ou igreja, ou realmente uma seita.42

Resposta Apologética:

Jesus não nasceu da Irmandade Essênia, e nunca se juntou a eles, pois revelou, durante o seu ministério, atitudes e ensinos contrários à forma de viver dos essênios:

a) Quanto ao legalismo:

1. Os essênios eram ferrenhos no seu legalismo de guardar o sábado;

2. Jesus se mostrou tolerante quanto à guarda do dia (Mt 12.1-10).

b) Quanto ao ascetismo:

1. Os essênios viviam asceticamente, fazendo restrições no comer;

2. Jesus não se afastava do povo, nem restrições quanto à comida – Mt 11.19; 15.17-20.

g) A salvação é conseguida pelo próprio homem por esforços pessoais:

A doutrina da Expiação, ensinada pela Igreja, consiste em que o Cristo expiou todos os pecados da humanidade, morrendo na cruz. Como o homem havia caído em tão forte condição de pecado, e o abismo entre ele e Deus tinha se tornado tão grande que era impossível o próprio homem fazer alguma coisa para expiar o seu pecado, foi necessário que o próprio Deus, na Pessoa do Cristo, fizesse essa expiação pelo homem. Sabemos que a doutrina da Expiação é misticamente verdadeira, mas somente no sentido de que o próprio homem, alcançando o estado de Consciência Cósmica, pode expiar seu estado pecaminoso. 43

Resposta Apologética:

A salvação é um dom de Deus, não sendo obtida por intermédio de méritos pessoais (Rm 3.24; Ef 2.8-9; Tt 3.4-7).

Jesus expiou nossos pecados na cruz a nos declara justificados diante de Deus (Rm 3.25-26; 1 Jo 1.7-9).

h) Jesus não falou Eu Sou o Caminho no sentido pessoal, mas no sentido de uma escola mística:

‘EU SOU O CAMINHO.’ E naturalmente, temos esta outra maravilhosa e iluminadora declaração do Grande Mestre, falando desta vez como CRISTO RESSUSCITADO, uma declaração que só pode ser compreendida num sentido místico, e nunca num sentido literal. Estas são as palavras: ‘Eu sou O CAMINHO, a Verdade, a Vida ninguém chega a meu Pai se não por meu intermédio’. Sabemos bastante acerca do Grande Mestre para saber que Ele não pronunciou esta frase no sentido pessoal, e que Ele não estava falando como Jesus, o Homem, ou como um Líder Divino, mas como um Mensageiro Divino que falava para aqueles que compreendiam porque ERA ELE O CAMINHO.

Naqueles dias O CAMINHO era uma escola mística, esotérica e secreta que aqueles que guiavam aos outros n’O CAMINHO eram perseguidos; a encontramos um acontecimento interessante a esse respeito.44

Resposta Apologética:

Jesus falou: Eu sou o caminho em sentido pessoal e não no sentido de indicar uma escola mística. Ele queria assim dizer que Ele é o único meio de salvação providenciado por Deus, Ele é o caminho para a salvação (Jo 14.6; 10.9; 1 Co 3.11).

i) Jesus não morreu na cruz, mas foi retirado e viveu muitos anos depois desse acontecimento:

É interessante chamarmos a atenção para o fato de que, em nenhuma passagem dos Evangelhos de Mateus, Marcos, Lucas e João, existe a declaração positiva, feita com base na observação pessoal desses discípulos, de que Jesus morreu na cruz, ou que estava morto quando o removeram a colocaram no sepulcro. Em João XIX:33 encontra-se a declaração de que os soldados acreditaram que Jesus estava morto, mas São João não faz uma declaração positiva e, quando menciona o golpe de lança, não nos dá motivos para crer que isto teria causado mais do que um ferimento superficial; por outro lado, o fato de que teriam fluído sangue e água indicaria que Jesus ainda estava vivo.45

j) Depois de retirado vivo da cruz, viveu Jesus muitos anos como Mestre no Mosteiro do Carmelo:

Os antigos registros da Grande Fraternidade Branca e outros documentos que constam dos arquivos Rosacruzes demonstram claramente que, depois que Jesus retirou-se para o mosteiro do Carmelo, viveu por muitos anos, realizando reuniões secretas com Seus Apóstolos e devotando-se, pela meditação e pela prece, à formulação de doutrinas e ensinamentos para serem divulgados pelos Apóstolos.46

1) Como Mestre, Jesus aparecia uma vez por semana nas reuniões do mosteiro do Carmelo:

Segundo os registros, Jesus só comparecia uma vez por semana, para ter com os Apóstolos, a isto se dava sempre num sábado, quando celebrava uma cerimônia de natureza misteriosa, na qual todos os que não se encontravam realizando um trabalho missionário fora dali participavam de uma Festa Simbólica. Nos outros dias da semana, havia reuniões para instrução dos Apóstolos em seu trabalho, presididas por vários Sumos Sacerdotes do mosteiro.47

Resposta Apologética:

Jesus morreu por nós, sendo comprovada sua morte pelos próprios soldados romanos (Jo 19.30-42; Rm 5.8;1 Co 15.1-6).

Não devemos ir além do que está escrito. Portanto, o ensino de que Jesus se tornou Mestre no mosteiro do Carmelo não tem apoio bíblico (1 Co 4.6).

Negar a expiação pela morte de Cristo é estar mancomunado com o diabo (Mt 16.21 23).

m) Depois de todos esses ensinamentos estapafúrdios sobre Jesus, ainda declaram os Rosacruzes:

É certo que, se todos os cristãos estivessem, completamente, treinados ou familiarizados com ospuros ensinamentos de Cristo, tanto no seu sentido místico como religioso, não existiriam as várias denominações cristãs que temos hoje, nem a rivalidade e a oposição que podem ser encontradas nessas várias denominações da mesma escola de pensamento.48

Resposta Apologética:

Falar em ensinos puros sem apoio bíblico é ensinar

doutrinas de demônios (1 Tm 4.1; 1 Jo 4.1).

n) E para iludir alguns cristãos desavisados, afirmam:

Todo Rosacruz verdadeiro, nascido ou criado na religião cristã, deve permanecer sincero às suas doutrinas. Não desejamos que qualquer Rosacruz altere sua religião devido aos seus estudos Rosacruzes; certamente, não desejamos que qualquer Rosacruz cristão se torne não cristão ou neutro com respeito às suas conexões religiosas. O budista, o muçulmano, o protestante e o católico romano podem encontrar a paz universal, a harmonia cósmica, a alegria e a felicidade ao fundir sua natureza e consciência, seu Ser exterior e Eu Interior!.49

Resposta Apologética:

Nenhum cristão ortodoxo deve filiar se à Ordem Rosacruz (2 Co 6.11 17; Cl 2.8 9).


  • Leia também


    Bíblia Apologética com Apócrifos Série Apologética Curso de Teologia On-line Curso Básico de Teologia Curso Médio de Teologia Curso Bacharel de Teologia

    ICP - Instituto Cristão de Pesquisas. Caixa Postal 64.098 - CEP 22011-970 - Rio de Janeiro - RJ. CNPJ 08.987.618/0001-07

    © 2017 - 2020. Todos os direitos reservados.

    Ícones feitos por Freepik from www.flaticon.com