Defesa da Fé

Edição 29

O Messias Asiático


Por Natanael Rinaldi

O escritor da epístola aos Hebreus (9.28) aponta duas vindas de Cristo. Diz: Assim também Cristo, tendo-se oferecido uma vez para sempre para tirar os pecados de muitos, aparecerá segunda vez, sem pecado, aos que o aguardam para a salvação.

A primeira vinda de Jesus já é um fato histórico, como se lê em Mateus 2.1,2: Tendo Jesus nascido em Belém da Judéia, em dias do rei Herodes, eis que vieram uns magos do Oriente a Jerusalém. E perguntavam: Onde Está o recém-nascido Rei dos judeus? Porque vimos a sua estrela no Oriente e viemos para adorá-lo.

A obra de redenção da humanidade se consumou quando Jesus deu o brado na cruz: Está consumado (Jo 19.30). Sobre a obra de redenção realizada por Cristo existem várias declarações bíblicas que ratificam sua completa eficácia. O escritor de Hebreus salienta isso declarando: Por isso, também pode salvar totalmente os que por ele se chegam a Deus, vivendo sempre para interceder por eles (7.25). Diz mais ainda: Não por meio de sangue de bodes e de bezerros, mas pelo seu próprio sangue, entrou no Santo dos Santos, uma vez por todas, tendo obtido eterna redenção (9.12). E não é demais citarmos, mais uma vez, o livro de Hebreus: Ora, todo sacerdote se apresenta, dia após dia, a exercer o serviço sagrado e a oferecer muitas vezes os mesmos sacrifícios, que nunca podem remover pecados; Jesus, porém, tendo oferecido, para sempre, um único sacrifício pelos pecados, assentou-se à destra de Deus (10.11,12).

Sobre a segunda vinda de Jesus, os dois anjos que apareceram logo após a sua subida ao céu disseram: Varões galileus, por que estais olhando para as alturas? Esse Jesus que dentre vós foi assunto ao céu virá do modo como o vistes subir (At 1.11). Jesus voltará! E o autor do livro de Apocalipse registra a sua segunda vinda em glória da seguinte forma: Eis que vem com as nuvens, e todo o olho o verá, até quantos o traspassaram. E todas as tribos da terra se lamentarão sobre ele (1.7).

Tudo isso é corretamente bíblico!


Falsos Messias


Jesus avisou que, próximo à sua segunda vinda, surgiriam falsos cristos (messias, no hebraico) e fariam tão grandes sinais e prodígios que se possível enganariam até os escolhidos: Então, se alguém vos disser: Eis aqui o Cristo! Ou: Ei-lo ali! Não acrediteis; porque surgirão falsos cristos... operando grandes sinais e prodígios para enganar, se possível, os próprios eleitos (Mt 24.23,24). É o que estamos vendo com a aparição no cenário religioso mundial de alguém que afirma ter sido chamado pelo próprio Cristo para concluir sua obra de redenção que não fora totalmente concluída na cruz.


Sun Myung Moon


Diz Moon de si mesmo: Com a plenitude do tempo, Deus enviou seu mensageiro para resolver as questões fundamentais da vida e do universo. Seu nome é Sun Myung Moon (Princípio Divino, p. 12, publicado pela Associação do Espírito Santo Para a Unificação do Cristianismo Mundial, 2 ª edição de 1981). Para justificar essa chamada especial do próprio Deus, afirma Moon: ... Desta maneira ele entrou em contato com muitos santos no paraíso e com Jesus, revelando assim todos os segredos celestes, mediante sua comunhão com Deus (Id.)


O "Senhor" do Segundo Advento


O nome primitivo de Moon era Yong Myung Moon (Dragão Brilhante Lua). Começar um movimento religioso com um nome tão estranho como Yong (dragão) levou esse líder a chamar-se Sun Myung Moon (Sol Brilhante Lua). Nascido em Pyungan Bukdo, na Coréia do Norte, Moon diz ter sido despertado para sua missão potencial de líder religioso através de uma visão aos 16 anos de idade.

Conhecendo Moon que a Bíblia declara ser desconhecido o dia da volta de Jesus (Mt 24.36), proclama ele que Deus, o Pai, nada faz sem primeiro comunicar o seu segredo aos seus servos, os profetas (Am 3.7). E por esse motivo foi que o Senhor Deus lhe revelou que a volta de Cristo se daria por um nascimento na Coréia, e não por uma vinda nas nuvens dos céus (Princípio Divino, pp. 373 e374).

Declara ele: Visto que é absolutamente incompreensível ao intelecto do homem moderno que o Senhor venha sobre as nuvens, é necessário considerarmos a Bíblia em detalhe uma segunda vez, de um ponto de vista diferente, a fim de entendermos o verdadeiro significado daquilo que a Bíblia diz literalmente (Id., p. 375).

Se é incompreensível ao intelecto do homem moderno aguardar o Senhor Jesus nas nuvens do céu, de que modo ele então voltaria? Explica Moon o seguinte: Embora muitos cristãos até o presente tenham acreditado que Jesus viria sobre as nuvens, não há fundamentação alguma para negar a possibilidade de que o Senhor nasça na carne sobre a terra, no Segundo Advento... (Id., p. 376). A pergunta que surge é: se Jesus nasceu em Belém da Judéia (Mq 5.2; Mt 2.1-6), em que parte da terra surgiria o Senhor do Segundo Advento? Ele mesmo interpreta Apocalipse 7.2 como sendo esse lugar: Vi outro anjo que subia do nascente do sol, tendo o selo do Deus vivo... Segundo sua interpretação, o anjo que subia do nascente do sol é ele, e que a Coréia é esse lugar. Mesmo diante dessas interpretações fantasiosas da Bíblia, preferimos ficar com as palavras dos anjos, pronunciadas na ascenção de Jesus (At 1.11), e com as próprias palavras de Jesus, que revelam como se daria sua segunda vinda. A saber: Logo em seguida à tribulação daqueles dias, o sol escurecerá, a lua não dará a sua claridade, as estrelas cairão do firmamento, e os poderes dos céus serão abalados. Então, aparecerá no céu o sinal do Filho do homem; todos os povos da terra se lamentarão e verão o Filho do homem vindo sobre as nuvens do céu, com poder e muita glória e ele enviará os seus anjos, com grande clangor de trombeta, os quais reunirão os seus escolhidos, dos quatro ventos, de uma a outra extremidade dos céus (Mt 24.29-31).

Jesus ainda não veio e a expectativa da sua segunda vinda é o grande anseio dos cristãos: para aguardardes dos céus o seu Filho, a quem ele ressuscitou dentre os mortos, Jesus, que nos livra da ira vindoura (1Ts 1.10).


Moon: Um Anticristo?


Interessante é como Moon alerta quanto à possibilidade de os cristãos serem enganados por um anticristo. Diz ele: ...no tempo do Segundo Advento, o dia do Filho do homem virá com seu nascimento na terra, mas os cristãos, que crêem que o Senhor virá sobre as nuvens, não acreditarão nele nem o seguirão como o Messias, embora possam ver o Senhor”. E mais: ... cada um chamará a si mesmo de ‘Senhor do Segundo Advento’, tornando-se assim um anticristo antes que venha o Senhor Id., p. 379).

Ora, se Moon se coloca no lugar de Jesus Cristo, cuja vinda aguardamos, e declara que essa vinda já se consumou com o seu nascimento em 6 de janeiro de 1920 na Coréia, não é ele mesmo um anticristo? O apóstolo João declara: Filhinhos, já é a última hora; e, como ouvistes que vem o anticristo, também, agora, muitos anticristos têm surgido; pelo que conhecemos que é a última hora (1Jo 2.18).


Doutrina Central do Moonismo


Para entendermos essa reivindicação de Moon de ser o Senhor do Segundo Advento, substituindo a Jesus Cristo a quem aguardamos, o livro Princípio Divino estabelece que a queda dos nossos primeiros pais, Adão e Eva, se deu de dois modos: a queda espiritual e a queda física.

Defende o Princípio Divino que após Deus ter criado Adão e Eva deu-lhes três bênçãos: 1. frutificai, 2. multiplicai e povoai a terra, 3. Subjugai a terra e dominai toda a criação (Gn 1.28). Essas três bênçãos significavam o propósito original de Deus, ainda válido. Ora, isso não se deu por causa queda deles. A queda – explica Moon – não ocorreu por um simples ato de desobediência ao mandamento divino para não comer do fruto da árvore que estava no meio do jardim (Gn 2.16,17 e Gn 3.1-6). Interpreta ele que a queda se deu por contato sexual de Eva com a serpente e depois com Adão, ocasionando dois tipos de queda: a espiritual e a física.


A Queda Espiritual e a Queda Física


Já que Deus criou o homem no espírito e na carne, a queda também se realizou no espírito e na carne. A queda através do relacionamento de sangue entre o anjo e Eva foi a queda espiritual, enquanto aquela através do relaciona mento de sangue entre Eva e Adão foi a queda física (Id., p. 60)

A queda de Eva consistiu em duas espécies de casos de amor ilícito. O primeiro foi a queda espiritual por meio do amor com o arcanjo. O segundo foi a queda física por meio do amor com Adão (Id., p. 65)

Segundo esses escritos, Eva foi seduzida pela serpente e, ao fazer sexo com ela, deu à luz a seu filho Caim. Em seguida, Eva fez sexo com Adão e nasceu Abel.

A explicação de acontecimento absurdo é assim descrita:

Era muito natural que Eva se mostrasse muito bela aos olhos de Lúcifer. Além disto, quando Eva está suscetível à sua tentação, Lúcifer foi fortemente estimulado por um impulso de amor para com Eva. Neste ponto, Lúcifer atreveu-se a seduzir Eva, com o risco de sua vida. Lúcifer, que deixou sua posição devido ao excessivo desejo, e Eva, que desejava que seus olhos fossem abertos como os de Deus, através de um relacionamento recíproco antes que estivesse preparada para aquilo. Formaram uma base recíproca e tiveram relação se xual... (Id., p. 61).

Tanto Caim quanto Abel eram o fruto da queda de Eva. Conseqüentemente, esta questão devia ser decidida de acordo com o curso da queda de Eva, que foi a origem da queda (Id., p. 185).

Quando lemos esses devaneios de Moon vêm à nossa lembrança as palavras do apóstolo Paulo: Pois haverá tempo em que não suportarão a sã doutrina; pelo contrário, cercar-se- ão de mestres segundo as suas próprias cobiças, como que sentindo coceira nos ouvidos; e se recusarão dar ouvidos à verdade, entregando-se às fábulas (2 Tm 4.3,4).

Não precisamos ser conhecedores profundos das Escrituras para verificamos que o plano de Deus, mesmo antes da queda, era que Adão e Eva procriassem e enchessem a terra como se lê em Gênesis 1.28: E Deus os abençoou e lhes disse: Sede fecundos, multiplicai- vos, enchei a terra e sujeitai-a... Se essa ordem foi dada antes da queda, então não havia nenhum problema de ordem sexual conforme apontado por Moon. Ademais, como Eva poderia fazer sexo com o anjo Lúcifer, sendo este um espírito? Quanto ao nascimento de Caim, atribuído ao relacionamento sexual de Eva com Lúcifer, a Bíblia relata que Caim é fruto do envolvimento sexual de Eva com Adão. Coabitou o homem com Eva, sua mulher. Esta concebeu e deu à luz a Caim; então disse: Adquiri um varão com o auxílio do Senhor. Depois deu à luz a Abel, seu irmão (Gn 4.1,2).


O Propósito do Ensino de Moon


Por que esse arrazoado todo de Moon? Para provar que assim como houve duas quedas, a física e a espiritual, haveria também e conseqüentemente a necessidade de duas redenções. Jesus não veio para morrer, mas para realizar a família ideal sobre a face da terra. Precipitado pelos acontecimentos com a traição de João Batista, Jesus foi levado à cruz sem que esse fosse o propósito de Deus, e assim realizou apenas a redenção espiritual.

Agora, Moon veio para concluir a redenção física. Vejamos como ele explica esses acontecimentos:


O Fracasso de João Batista


João Batista, por exemplo, obstruiu os planos divinos. Ao invés de se unir com Jesus, continuou seu caminho independente. Assim, falhou em ser o mensageiro e o defensor de Jesus. O Principio Divino nos diz que, por João não estabelecer um fundamento adequado à Nova Era de Deus, como o principal precursor do Messias, o próprio Jesus teve de suportar os ataques de Satanás ao longo de quarenta dias de jejum e oração no deserto (Id., p. 191)

João Batista, que nasceu com a missão de preparar seu caminho, falhou em cumprir sua missão (Id., p. 262)

Não tendo João Batista cumprido sua missão de precursor precipitou a morte de Jesus sem que isso fosse o plano de Deus para a humanidade. É o que declara o Princípio Divino:

Esclarecemos o fato de que Jesus não veio para morrer, mas se perguntarmos diretamente a Jesus através da comunicação espiritual, podemos ver o fato até mais claramente. (Id., p. 117)

Jamais Jesus diria semelhante coisa a Moon por meio de comunicação espiritual. Pois o Filho de Deus, em sua vida terrena, afirmou: Tal como o Filho do homem, que não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos (Mt 20.28). É o que lemos também do discurso de Pedro no dia de Pentecostes: Sendo este entregue pelo determinado desígnio e presciência de Deus, vós o matastes, crucificando-o por mãos de iníquos (At 2.23). Logo, Jesus veio para morrer por nós, e não para viver por nós.


Rejeição à Ressurreição Corporal de Jesus


Se Jesus realmente não tivesse vindo para morrer pelos pecadores perdidos, como declara Romanos 5.8, e se a sua obra no Calvário não tivesse sido aceita por Deus, então ele não teria ressuscitado dentre os mortos. É isso que pretende ensinar Moon. Ao negar, com vários artifícios, a ressurreição de Jesus Moon pro cura justificar sua posição de Senhor do Segundo Advento que veio para estabelecer a família ideal sobre a terra, ao lado de sua mulher Hak Já Kan, intitulada esposa do Cordeiro de Apocalipse 19.7.

Vejamos as declarações de Moon: Muitos estudiosos do Novo Testamento consideram lenda o sepulcro vazio. E lança uma segunda hipótese para negar a ressurreição corporal de Jesus: Talvez Jesus fora retirado da cruz antes da morte. Assim, ele apenas parecia ser crucificado, ou alguém tomou seu lugar na cruz, por exemplo Simão de Cirene. Essa é uma visão antiga, e disseminada na Arábia (Teologia da Unificação, pp. 205,207).

Como sabemos, a ressurreição corporal de Jesus é uma doutrina fundamentalmente bíblica. O evangelho que é o poder de Deus para a salvação de todo o crê (Rm 1.16) está explicado mediante a morte e a ressurreição de Jesus. Antes de tudo, vos entreguei o que também recebi: que Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras, e que foi sepultado e ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras (1 Co 15.3,4). O próprio Jesus, no decorrer de seu ministério, declarou que iria ressuscitar corporalmente: Destruí este santuário, e em três dias, o levantarei. Replicaram os judeus: Em quarenta e seis anos foi edificado este santuário, e tu, em três dias, o levantarás? Ele, porém, se referia ao santuário do seu corpo. Quando, pois, Jesus ressuscitou dentre os mortos, lembraram-se os seus discípulos de que ele dissera isto: e creram na Escritura e na palavra de Jesus (Jo 2.19-22)

A pretensão de Moon em ser o Senhor do Segundo Advento ou o terceiro Adão, desdenhando a morte redentora de Jesus por nós e negando sua gloriosa ressurreição dentre os mortos, não pode ser justificada. A Bíblia contesta essa pretensão: O qual foi entregue por causa das nossas transgressões e ressuscitou por causa da nossa justificação (Rm 4.25). Em vez de olharmos para Moon, julgamos melhor fixar o nossos olhos em Jesus: Olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus, o qual, em troca da alegria que lhe estava proposta, suportou a cruz, não fazendo caso da ignomínia, e está assentado à destra do trono de Deus (Hb 12.2). E devemos permanecer fazendo a última oração da Bíblia: Aquele que dá testemunho destas cousas diz: certamente, venho sem demora. Amém. Vem, Senhor Jesus! (Ap 22.20).

Bíblia Apologética com Apócrifos Curso Básico de Teologia Curso Médio de Teologia Série Apologética Curso Bacharel de Teologia Curso Teologia Online
Contato
Siga

ICP - Instituto Cristão de Pesquisas © Todos os direitos reservados. 2018