Defesa da Fé


A Reforma Protestante e as missões


A presença da Igreja como agente de expansão da Palavra pregada


Por Ronaldo Lidório

Missionário especialista em plantio de igrejas e antropologia cultural


A Reforma Protestante, desencadeada com as 95 teses de Lutero e divulgadas em 31 de outubro de 1517, foi, sobretudo, eclesiástica, em um momento em que todos os olhares se voltavam para a reestruturação daquilo que a Igreja cria e vivia. Renasceram, assim, os dogmas evangélicos. A Sola Scriptura defendia uma Igreja centrada nas Escrituras, a Palavra de Deus; a Sola Gratia reconhecia a salvação e a vida cristã fundamentadas na graça do Senhor e não nas obras humanas; a Sola Fide evocava a fé e o compromisso de fidelidade com o Senhor Jesus; a Solus Christus anunciava que o próprio Cristo estava construindo sua Igreja na terra, sendo seu único Senhor; e a Soli Deo Gloria enfatizava que a finalidade maior da Igreja era glorificar a Deus.

A missão da Igreja, sua Vox Clamantis (“a voz que clama”), não fez parte dos temas defendidos e pregados na Reforma Protestante de forma direta. Isto por um motivo óbvio: os reformadores, como Lutero, Calvino e Zuínglio, possuíam em suas mãos o grande desafio para reconduzir a Igreja à Palavra de Deus e, assim, todos os escritos foram revestidos de uma forte convicção eclesiológica e sem preocupação imediata com a missiologia. Isto não dilui, entretanto, a profunda ligação entre a Reforma Protestante e a obra missionária por alguns motivos. Vejamos:


As traduções bíblicas


A Reforma levou a Igreja a crer que o curso de sua vida e razão de existir deveriam ser conduzidos pela Palavra de Deus, submetendo o próprio sacerdócio a esse crivo bíblico. Foi justamente essa a ênfase escriturística que despertou Lutero para a tradução da Palavra para a língua do povo e inspirou, posteriormente, centenas de traduções populares em diversos idiomas, fomentando movimentos como a Wycliffe Bible Translators, com a visão da tradução das Escrituras para todas as línguas entre todos os povos da terra. Hoje, contamos com a Palavra do Senhor traduzida para 2.212 línguas vivas. João Calvino enfatizava que “onde quer que vejamos a Palavra de Deus pregada e ouvida em toda a sua pureza [...] não há dúvida de que existe uma Igreja de Deus”. O grande esforço missionário para a tradução bíblica resulta diretamente dos ensinos reformados.


O culto vivo ao Deus vivo


A Reforma reavivou o culto em que todos os salvos, e não apenas o sacerdote, louvavam e buscavam o Senhor Deus. Lutero, em uma de suas primeiras atitudes, colocou em linguagem comum os hinos entoados nos cultos. Essa convicção de que é possível ao homem comum louvar a Deus incorporou na Igreja pós-reforma o pensamento multiétnico segundo o qual “o desejo de levar o culto a todos os homens”, como disse Zuínglio, não demorou a ressoar na Igreja, culminando com o envio de missionários para o Ceilão pela Igreja Reformada holandesa no século 17, que disparou um progressivo envio missionário e expansão da fé cristã nos séculos que viriam. Um culto vivo ao Deus vivo foi um dos pressupostos reformados que induziu a obra missionária a levar este culto a todos os homens, transpondo barreiras linguísticas, culturais e geográficas.


Uma igreja cristocêntrica


A Reforma trouxe a glória de Deus, como motivo de vida da Igreja e isso definiu o curso de todo o movimento missionário pós-reforma, quando o estandarte de Cristo, e não da Igreja, era levado com a Palavra proclamada entre outros povos. Os morávios já testificavam isso quando o conde Zinzendorf, ao ser questionado sobre seu real motivo para tão expressivo e sacrificial movimento missionário, responde: “Estou indo buscar, para o Cordeiro, o galardão do seu sacrifício”. John Knox, na segunda metade do século 16, escreveu que a Genebra de Calvino era “a mais perfeita escola de Cristo que jamais houve na terra desde a época dos apóstolos”. O centro das atenções, portanto, era Cristo, e nascia ali um modelo cristocêntrico de pregação do evangelho que marcaria o curso da história missionária nos séculos posteriores.

Mas, sobretudo, a Reforma Protestante passou a Igreja pelo crivo da Palavra e isso revelou-nos a nossa identidade bíblica, segundo o coração de Deus. Seguindo o esboço dessa eclesiologia reformada, podemos concluir que somos uma comunidade chamada e salva pelo Senhor com uma finalidade na terra. Zuínglio, logo após manifestar sua intenção de passar a pregar apenas sermões expositivos, em janeiro de 1519, afirmou, em sua primeira prédica, que “a salvação põe sobre nós a responsabilidade de obediência”.

Seguindo essa ênfase eclesiológica, sob o cunho escriturístico, vemos que “igreja” (gr. ekklesia) é um termo composto que pode ser dividido em ek (“para fora de”) e klesia, que vem de kaleo (“chamar”). Etimologicamente, pode, portanto, ser entendida como “chamada para fora de”, o que, a princípio, nos dá uma ideia mais real dessa comunidade dos santos que entra em um templo, mas precisa postar seus olhos além dos muros.

Obviamente, o termo também está ligado a “agrupamento de indivíduos” e, de certa forma, a “instituição”. Entretanto, em todo o Novo Testamento a Igreja adquire o conceito de “comunidade dos santos”. O termo estaria ausente dos evangelhos não fosse por sua menção em Mateus 16.18 e 18.17, mas aparece 23 vezes em Atos e mais de 100 vezes em todo o resto do Novo Testamento.

A seguir, gostaríamos de chamar a atenção do leitor para alguns conceitos neotestamentários e reformados para esta comunidade dos filhos de Deus que foram estudados pelos reformadores e impulsiona a Igreja hoje para uma obra missionária baseada na Sola Scriptura, para a glória de Deus.


A Igreja de Deus


Comumente, encontramos no Novo Testamento a expressão “Igreja de Deus” (gr. Ekklesia tou Theou), o que evidencia que esta Igreja veio de Deus e pertence a Deus. É uma comunidade que possui Deus como fonte; é eterna, espiritual e universal. Não provém de elucidação humana ou de uma obsessão nutrida por um grupo de loucos há vinte séculos. Antes, foi articulada por Deus, formada por Deus, pertence a Deus e permanece ligada a Deus. Independente das deturpações da fé, das ramificações que se liberalizaram, dos que se perderam pelo caminho, a Igreja permanece, pois é posse de Deus.

Dessa forma, a Igreja de Deus precisa caminhar de acordo com o palpitar do coração de Deus, a quem pertence, traduzindo para sua vida os desejos profundos desse coração. Baseados nesta verdade, necessitamos renovar nosso compromisso com a eclesiologia bíblica — um grupo de santos chamado por Deus para a inusitada tarefa de transtornar o mundo com o evangelho de Cristo.


A Igreja local


Também no Novo Testamento, encontramos o conceito de “igreja local”. Em 1Coríntios 1.12, vemos, por exemplo, a expressão a “Igreja de Deus que está em Corinto”, em que a expressão “que está” (gr. te ouse) indica a localidade da igreja. Mostra-nos que os santos de Corinto pertencem à Igreja e não que a Igreja pertence a Corinto, o que deve ficar bem claro. Nos últimos 2000 anos, a Igreja adquiriu uma forte tendência de se “localizar”, condicionando-se tão fortemente a uma cidade ou bairro a ponto de alguns chegarem a defender uma “demarcação” geográfica da responsabilidade da Igreja, impedindo trabalhos fora da sua jurisdição.

Num conceito neotestamentário, igreja é uma comunidade sem fronteiras e, portanto, cremos que há necessidade de “sacramentalizarmos” mais os santos e menos os templos. Missões não é um programa eclesiástico. É a respiração da Igreja.


A Igreja humana


Também dentro do conceito de igreja, encontramos, no Novo Testamento, um perfil bastante humano. Em 1Tessalonicenses 1.1, por exemplo, lemos: “igreja de Tessalônica” (gr. ekklesia Thesalonikeon), dando-nos a ideia daqueles que são a Igreja, sendo, também, tessalônicos, cidadãos de Tessalônica.

Mostra-nos o fato de que, por serem “Igreja”, não significa que deixam de ser cidadãos, patriotas, carpinteiros, lavradores, comerciantes, desportistas, pais, mães ou filhos. A Igreja, no Novo Testamento, não é apresentada como uma comunidade alienante, mas como uma comunidade que abrange o homem em seu contexto humano, fazendo-nos entender que esta Igreja não foi separada do mundo, mas, sim, purificada dentro dele. Mostra-nos, também, que, na obra missionária, não há super-homens, mas, sim, gente como a gente tendo o privilégio de espalhar o evangelho de Cristo além fronteiras.

No livro de Atos, a humanidade foi chocada com a fé daqueles que “transtornavam o mundo”. O viver dos discípulos era Cristo, o objetivo era ganhar almas, a alegria era a adoração, o que os unia era a verdadeira comunhão, o amor era traduzido em ações, os fortes guiavam os fracos, as dificuldades eram enfrentadas com oração, a paz enchia os corações e todos, mesmo sem muita estrutura humana, possuíam, como finalidade de vida, apenas testemunhar de Jesus. Era uma Igreja visionária, formada por gente limitada como nós.

Entretanto, quando olhamos para esta Ekklesia do Senhor Jesus no contexto embrionário do Novo Testamento, a pergunta que salta aos olhos é: qual deve ser a principal motivação dos santos para o envolvimento com a obra missionária mundial, fazendo Cristo conhecido entre todos os povos da terra? Nesta expectativa, olhamos para Paulo, o qual, como missiólogo, expôs aos romanos a nossa real motivação bíblica e reformada.

Leiamos Romanos 16.25-27, texto em que o apóstolo, encerrando esta carta de grande profundidade missiológica, diz: “Ora, àquele que é poderoso para vos confirmar segundo o meu evangelho e a pregação de Jesus Cristo, conforme a revelação do mistério que desde tempos eternos esteve oculto, mas que se manifestou agora, e se notificou pelas Escrituras dos profetas, segundo o mandamento do Deus eterno, a todas as nações para obediência da fé; ao único Deus, sábio, seja dada glória por Jesus Cristo para todo o sempre. Amém”.

Vejamos, mais claramente, a explicação de algumas expressões na tabela:


Ora, àquele que é poderoso para vos confirmar segundo o meu evangelho... fala de Deus

...conforme a revelação do mistério... o Messias prometido a todos os povos

...mas que se manifestou agora, e se notificou pelas Escrituras dos profetas... este é o meio de revelação escrita

...segundo o mandamento do Deus eterno...este é o meio de eleição

...para a obediência por fé...este é o meio de salvação

...entre todas as nações...isto é, a extensão do plano salvífico de Deus


Mas, qual o motivo para este plano divino que visa a redenção de todos os povos? Ele responde no verso 27: “Ao Deus único e sábio seja dada glória!”. Este é o maior e mais importante motivo para nos envolvermos com o propósito de fazer Jesus conhecido até a última fronteira do país mais distante, ou da criança caída na esquina da nossa rua: a glória de Deus!

Martinho Lutero, em um sermão expositivo, em 1513, baseado no Salmo 91, afirmou que “a glória de Deus precede a glória da Igreja”. É momento de renovar o nosso compromisso com as Escrituras, reconhecer que existimos como Igreja pela graça de Deus, orar ardentemente por fidelidade de vidas e entender que o próprio Jesus está construindo a sua Igreja na terra. E, quando colocarmos as mãos no arado, sem olhar para trás, devemos nos lembrar o seguinte: a razão da nossa existência é a glória do Deus. Pois, Deus é maior do que nós!

Bíblia Apologética com Apócrifos Curso Básico de Teologia Curso Básico de Grego Bíblico Curso Médio de Teologia Série Apologética Curso Bacharel de Teologia Curso Teologia Online

ICP - Instituto Cristão de Pesquisas © Todos os direitos reservados. 2017