ICP Responde



As crianças têm anjo da guarda?


“Vede, não desprezeis alguns destes pequeninos, porque eu vos digo que os seus anjos nos céus sempre veem a face de meu Pai que está no céus” (Mt 18.10)

A fim de termos uma boa compreensão do assunto, comecemos lendo todo o trecho que enseja essa dúvida. Vejamos:

“Naquele momento, os discípulos chegaram a Jesus e perguntaram: Quem é o maior no reino dos céus? Chamando uma criança, colocou-a no meio deles e disse: Eu asseguro que, a não ser que vocês se convertam e se tornem como crianças, jamais entrarão no reino dos céus. Portanto, quem se faz humilde como esta criança, este é o maior no reino dos céus. Quem recebe uma destas crianças em meu nome, está me recebendo. Mas, se alguém fizer cair no pecado um destes pequeninos que creem em mim, melhor lhe seria amarrar uma pedra de moinho no pescoço e se afogar nas profundezas do mar [...] Cuidado para não desprezarem um só destes pequeninos! Pois eu digo que os anjos deles nos céus estão sempre vendo a face de meu Pai celeste” (Mt 18.1-10).

Em certa ocasião, desejando dar aos discípulos uma lição sobre humildade (Mt 18.1), o Senhor Jesus chamou uma criança para perto de si (v. 2) e ensinou aos discípulos a necessidade de alguém se tornar como uma delas para entrar no reino (v. 3,4). Receber uma criança no nome do Senhor significa receber o próprio Senhor (v. 5). Em seguida, o Senhor falou do castigo dos que colocam tropeços diante dos “pequeninos” que creem nele (v. 6-9) e advertiu os discípulos a que não os desprezassem, diante do cuidado vigilante de Deus por eles, por intermédio dos anjos (v. 10).

Essa dito é difícil porque sugere a existência de “anjos da guarda” de crianças, que estariam constantemente na presença de Deus, velando e cuidando dos pequeninos. O conceito de que cada crente tem um anjo da guarda enviado por Deus sempre foi popular entre os cristãos, e tem-se tornado ainda mais popular com a crescente onda de fascínio pelos anjos que tem invadido as igrejas evangélicas, acompanhando o aumento do misticismo e do ocultismo no mundo.

Há várias interpretações para este dito difícil de Jesus.


1) Os anjos no céu são as almas das crianças que morrem


De acordo com este entendimento, Jesus ensinou que a alma das crianças (ou seja, o “anjo” de cada uma delas) vai para o céu após a morte das crianças, e essa alma ou anjo fica continuamente na presença de Deus. De acordo com esta interpretação, Jesus mandou que os discípulos não desprezassem as crianças, pois elas, quando morrem, vão, na forma de anjos, morar na presença de Deus. Alegam que Jesus se referiu aos “seus anjos no céu”, indicando que isso esteja afirmando o que acontece após a morte. A dificuldade óbvia com esta interpretação é que identifica alma com anjo, como se fossem a mesma coisa, uma associação impossível à luz do Novo Testamento. A alma faz parte da personalidade humana, enquanto um anjo é um ser distinto do homem. As pessoas não se transformam em anjos quando morrem, conforme a crendice popular, mas suas almas comparecem, como almas, à presença de Deus.


2) Cada criança tem um anjo da guarda


Outra interpretação entende que a expressão “seus anjos” se refere aos anjos destacados por Deus para guardar cada criança, e que, neste trabalho, eles (os anjos) ficam subindo constantemente ao céu, na presença de Deus, para dar relatórios de suas atividades e interceder em favor das crianças. Essa doutrina é defendida pela Igreja Católica, que diz que, no batismo, cada criança recebe seu anjo da guarda, que é enviado por Deus para protegê-la e aconselhá-la por toda a sua vida. Esse anjo é, também, chamado, na teologia católica, de “anjo custódio”.

Há várias passagens bíblicas usadas para defender esta interpretação. “O anjo do Senhor acampa-se ao redor dos que o temem e os livra” (Sl 34.7) é uma das mais conhecidas. Também Gênesis 48.16, em que Jacó se refere a um anjo que o teria livrado de todo o mal (na verdade, refere-se ao anjo do Senhor). Menciona-se também o anjo que veio em socorro de Daniel (Dn 6.22).

Essas e outras passagens, entretanto, não provam o ponto, apenas mostram que Deus envia anjos para proteger e salvar seus servos em determinados momentos. A ideia de “anjo da guarda” para cada criança é bastante estranha à luz da doutrina bíblica, muito embora esteja claro que uma das funções dos anjos é proteger os filhos de Deus. Nenhuma das passagens geralmente usadas para provar a existência de “anjo da guarda” realmente prova coisa alguma. Ao final, existe muita influência da crendice e da superstição popular sobre o assunto.


3) Os “pequeninos” são os crentes em Jesus Cristo


A outra interpretação defende que a chave para entendermos este dito difícil de Jesus é o termo “pequeninos”. A quem Jesus se refere? O termo pode ser tomado literalmente como se referindo às crianças, como as duas interpretações anteriores o fazem, ou figuradamente, como se referindo aos discípulos de Jesus. Esta última possibilidade resolve o problema e tem apoio bíblico.

Em primeiro lugar, Jesus usa, regularmente, o termo “pequeninos” para se referir aos discípulos (Mt 10.42; 18.6; Mc 9.42; Lc 17.2). Notemos que, nos versos 1 a 5, Jesus se referiu, claramente, às “crianças”. Já nos versos 6 a 10, Jesus menciona os “pequeninos”. Em segundo, os discípulos são comparados com crianças, no que diz respeito à confiança em Deus. E, em terceiro, a passagem se encaixa no ensino geral do Novo Testamento sobre o ministério dos anjos em favor dos filhos de Deus, como, por exemplo, Hebreus 1.14.

Portanto, a melhor explicação para esta passagem é que Jesus está ensinando que Deus envia seus anjos para assistir aos “pequeninos”, que são os seus discípulos, os filhos de Deus pela fé, comparados a crianças. Assim, não devemos desprezar esses “pequeninos”. Afinal, esse ministério angelical para com os “pequeninos” faz parte do cuidado geral que os anjos desempenham em favor do povo de Deus (Sl 91.11; Hb 1.14; Lc 16.22).

A passagem não está ensinando que cada crente ou criança tem seu próprio “anjo da guarda”, como era crido popularmente entre os judeus na época da Igreja primitiva.

Simplesmente, o texto em estudo expressa o cuidado geral de Deus por seu povo pela instrumentalidade dos anjos.


Por Augustus Nicodemus

  • ICP RespondeLeia também


    A Bíblia proíbe a celebração de aniversários?
    Abraão era judeu?
    Afinal, o testemunho de Jesus é verdadeiro ou não?
    Alguns atributos de Deus são inerentes ao ser humano?
    As crianças têm anjo da guarda?
    Coisas santas aos cães e pérolas aos porcos. Qual deve ser a nossa posição acerca deste ensinamento de Jesus?
    Como entender a ordem para não tocar no ungido do Senhor?
    Como entender o fato de Paulo mandar entregar dois obreiros da Igreja a Satanás?
    Como o inferno glorifica a Deus?
    É lícito ao pastor tirar férias?
    É verdade que já existe pornografia gospel?
    Em Êxodo 25.17-22, Deus está permitindo a adoração de imagens?
    Eutanásia - O homem pode estabelecer o término de uma vida?
    Haverá salvação para os anjos maus?
    Havia morte antes de Adão?
    Jesus fez uma promessa enganosa?
    O casamento é uma instituição de Deus ou apenas uma invenção humana?
    O Natal escatológico - O duplo cumprimento do Natal
    O que há na Bíblia a respeito das profecias de Maomé?
    O que significa a expressão “quatro ventos dos quatro ângulos do céu”?
    O trabalho é bênção ou maldição?
    Os cristãos são proibidos de estudar filosofia?
    Os irmãos literais de Jesus eram, na verdade, seus primos?
    Podemos ser perdoados de todos os nossos pecados ou não?
    Por que alguns versículos insistem em ignorar o irmão de Isaque?
    Por que cristãos não devem usar amuletos?
    Por que Eliseu amaldiçoou os rapazes zombadores?
    Por que existe a necessidade de reparação se Deus nos perdoa quando confessamos os nossos erros?
    Porque o nome de Jesus não é Emanuel (Is 7.14)?
    Por que os cristãos adoram três deuses se a Bíblia é contra o politeísmo? E, ainda, por que chamam Jesus de Deus filho se Deus não tem filho?
    Por que os cristãos crêem na Bíblia se ela foi corrompida ao longo dos anos?
    Qual é a localização do jardim do Éden no mapa atual?
    Quem são os primeiros e os últimos?
    Realmente, existiu o tanque de Betesda?
    Satanás pode ouvir nossos pensamentos?
    Se Deus é sempre o mesmo, isto significa que ele sempre age da mesma forma?
    Se Judas havia morrido, e Matias, seu substituto, ainda não havia sido empossado, como Jesus poderia ter aparecido aos doze apóstolos?
    Se eu tiver fé, poderei fazer mais milagres do que Jesus?
    Urucubaca pega em crente?
    Usura - Um cristão pode cobrar juros?
    Zacarias 14.9 reforça a tese unicista contra a Trindade?

    Bíblia Apologética com Apócrifos Curso Básico de Teologia Curso Médio de Teologia Série Apologética Curso Bacharel de Teologia Curso Teologia Online
    Contato
    Siga

    ICP - Instituto Cristão de Pesquisas © Todos os direitos reservados. 2018