ICP Responde



Como entender a ordem para não tocar no ungido do Senhor?


Há várias passagens na Bíblia em que aparecem expressões iguais ou semelhantes à que ordena “não tocar no ungido do Senhor.” Comecemos lendo algumas delas.

“A ninguém permitiu que os oprimisse; antes, por amor deles, repreendeu dizendo: Não toqueis nos meus ungidos, nem maltrateis os meus profetas” (1Cr 16.21,22; Sl 105.15).

Todavia, a passagem mais conhecida é aquela em que Davi, sendo pressionado pelos seus homens para aproveitar a oportunidade de matar Saul na caverna, respondeu: "O Senhor me guarde de que eu faça tal coisa ao meu senhor, isto é, que eu estenda a mão contra ele [Saul], pois é o ungido do Senhor" (1Sm 24.6).

Noutra ocasião, Davi impediu, com o mesmo argumento, que Abisai, seu homem de confiança, matasse Saul, que dormia tranquilamente ao relento: "Não o mates, pois quem haverá que estenda a mão contra o ungido do Senhor e fique inocente?" (1Sm 26.9).

Davi respeitava Saul de tal forma como ungido do Senhor que não perdoou o homem que o matou: “Como não temeste estender a mão para matares o ungido do Senhor?” (2Sm 1.14).

Essa relutância de Davi em matar Saul por ser ele o ungido do Senhor tem sido interpretada por muitos evangélicos como um princípio bíblico referente aos pastores e líderes a ser observado em nossos dias, nas igrejas cristãs.

Para eles, uma vez que os líderes eclesiásticos são os ungidos do Senhor, não se pode levantar a mão contra eles, isto é, não se pode acusá-los, contraditá-los, questioná-los, criticá-los e muito menos mover-se qualquer ação contrária a eles. A unção do Senhor funcionaria como uma espécie de proteção e imunidade dada por Deus aos seus ungidos. Ir contra eles seria ir contra o próprio Deus. Mas, será que é isto mesmo que a Bíblia ensina?

A expressão “ungido do Senhor” usada na Bíblia em referência aos reis de Israel se deve ao fato de que os mesmos eram oficialmente escolhidos e designados por Deus para ocupar o cargo mediante a unção feita por um juiz ou profeta. Na ocasião, era derramado óleo sobre sua cabeça para separá-lo para o cargo. Foi o que Samuel fez com Saul (1Sm 10.1) e depois com Davi (1Sm 16.13).

A razão pela qual Davi não queria matar Saul era porque reconhecia que ele, mesmo de forma indigna, ocupava um cargo designado por Deus. Davi não queria ser culpado de matar aquele que havia recebido a unção real.

Mas, o que não se pode ignorar é que este respeito pela vida do rei não impediu Davi de confrontar Saul e acusá-lo de injustiça e perversidade em persegui-lo sem causa (1Sm 24.15). Davi não iria matá-lo, mas invocou o Senhor Deus como juiz contra Saul, diante de todo o exército de Israel, e pediu abertamente a Deus que castigasse Saul, vingando a ele, Davi (1Sm 24.12). Davi também dizia a seus aliados que a hora de Saul estava por chegar, quando o próprio Deus haveria de matá-lo por seus pecados (1Sm 26.9,10).

O Salmo 18 é atribuído a Davi, que o teria composto “no dia em que o Senhor o livrou de todos os seus inimigos e das mãos de Saul”. Não podemos ter plena certeza da veracidade deste cabeçalho, mas existe a grande possibilidade de que reflita o exato momento histórico em que foi composto. Sendo assim, o que vemos é Davi compondo um salmo de gratidão a Deus por tê-lo livrado do “homem violento” (Sl 18.48), por ter tomado vingança dos que o perseguiam (Sl 18.47).

Em resumo, Davi não queria ser aquele que haveria de matar o ímpio rei Saul pelo fato de o mesmo ter sido ungido com óleo pelo profeta Samuel para ser rei de Israel. Isto, todavia, não impediu Davi de enfrentá-lo, confrontá-lo, invocar o juízo e a vingança de Deus contra ele, e entregá-lo nas mãos do Senhor, para que, ao seu tempo, o castigasse devidamente por seus pecados.

O que não entendemos é como, então, alguém pode tomar a história de Davi se recusando a matar Saul, por ser o ungido do Senhor, como base para este estranho conceito de que não se pode questionar, confrontar, contraditar, discordar e até mesmo enfrentar com firmeza pessoas que ocupam posição de autoridade nas igrejas quando os mesmos se tornam repreensíveis na doutrina e na prática.

Não há dúvida de que os nossos líderes espirituais merecem todo o nosso respeito e confiança, e que devemos acatar a autoridade deles – enquanto, é claro, estiverem submissos à Palavra de Deus, pregando a verdade e andando de maneira digna, honesta e verdadeira. Quando se tornam repreensíveis, devem ser corrigidos e admoestados. Paulo orienta Timóteo da seguinte maneira, no caso de presbíteros (bispos/pastores) que errarem: "Não aceites denúncia contra presbítero, senão exclusivamente sob o depoimento de duas ou três testemunhas. Quanto aos que vivem no pecado, repreende-os na presença de todos, para que também os demais temam" (1Tm 5.19,20).

Os “que vivem no pecado”, pelo contexto, é uma referência aos presbíteros mencionados no versículo anterior. Os mesmos devem ser repreendidos publicamente.

Mas, o que impressiona mesmo é a seguinte constatação. Nunca os apóstolos de Jesus Cristo apelaram para a “imunidade da unção” quando foram acusados, perseguidos e vilipendiados pelos próprios crentes. O melhor exemplo é o do próprio apóstolo Paulo, ungido por Deus para ser apóstolo dos gentios. Quantos sofrimentos ele não passou por parte dos crentes da igreja de Corinto, seus próprios filhos na fé?!

Reproduzimos apenas uma passagem de sua primeira carta a eles, em que o apóstolo Paulo revela toda a ironia, veneno, maldade e sarcasmo com que os coríntios o tratavam:

“Já estais fartos, já estais ricos; chegastes a reinar sem nós; sim, tomara reinásseis para que também nós viéssemos a reinar convosco. Porque a mim me parece que Deus nos pôs a nós, os apóstolos, em último lugar, como se fôssemos condenados à morte; porque nos tornamos espetáculo ao mundo, tanto a anjos, como a homens. Nós somos loucos por causa de Cristo, e vós, sábios em Cristo; nós, fracos, e vós, fortes; vós, nobres, e nós, desprezíveis. Até a presente hora, sofremos fome, e sede, e nudez; e somos esbofeteados, e não temos morada certa, e nos afadigamos, trabalhando com as nossas próprias mãos. Quando somos injuriados, bendizemos; quando perseguidos, suportamos; quando caluniados, procuramos conciliação; até agora, temos chegado a ser considerados lixo do mundo, escória de todos. Não vos escrevo estas coisas para vos envergonhar; pelo contrário, para vos admoestar como a filhos meus amados. Porque, ainda que tivésseis milhares de preceptores em Cristo, não teríeis, contudo, muitos pais; pois eu, pelo evangelho, vos gerei em Cristo Jesus. Admoesto-vos, portanto, a que sejais meus imitadores" (1Co 4.8-17).

Por que é que não encontramos, nesta queixa de Paulo, a repreensão: “Como vocês ousam se levantar contra o ungido do Senhor?”. Homens de Deus, os verdadeiros ungidos por Ele para o trabalho pastoral, não respondem às discordâncias, críticas e questionamentos calando a boca das ovelhas com “não me toque porque sou ungido do Senhor”, mas com trabalho, argumentos, verdade e sinceridade.

“Não toqueis no ungido do Senhor” é apelação de quem não tem argumento bíblico nem exemplo de vida para dar como resposta.


Por Augustus Nicodemus

  • ICP RespondeLeia também


    A Bíblia proíbe a celebração de aniversários?
    As crianças têm anjo da guarda?
    Como entender a ordem para não tocar no ungido do Senhor?
    Como o inferno glorifica a Deus?
    Eutanásia - O homem pode estabelecer o término de uma vida?
    O casamento é uma instituição de Deus ou apenas uma invenção humana?
    O trabalho é bênção ou maldição?
    Por que cristãos não devem usar amuletos?
    Se Deus é sempre o mesmo, isto significa que ele sempre age da mesma forma?
    Usura - Um cristão pode cobrar juros?

    Bíblia Apologética com Apócrifos Curso Básico de Teologia Curso Médio de Teologia Série Apologética Curso Bacharel de Teologia Curso Teologia Online
    Contato
    Siga

    ICP - Instituto Cristão de Pesquisas © Todos os direitos reservados. 2018