ICP Responde



O que o rei Salomão quis dizer ao declarar: “Não sejas demasiadamente justo”?


Dependemos da justiça que procede de Deus para regenerar nosso coração.

É perfeitamente compreensível que os novos convertidos à fé cristã encontrem dificuldades na interpretação do texto que diz o seguinte: “Não sejas demasiadamente justo, nem demasiadamente sábio; por que te destruirias a ti mesmo?” (Ec 7.16).

Surge assim a questão: Será que devemos proceder com algum teor de injustiça, para que não venhamos a nos destruir? De forma nenhuma. O próprio Salomão, em outro texto, nos ajuda a esclarecer esta afirmação: “Não sejas sábio a teus próprios olhos; teme ao SENHOR e aparta-te do mal” (Pv 3.7). Ou seja, não devemos buscar a salvação por meio de obras e esforços humanos, por nossos próprios méritos.

O Novo Testamento fala de um grupo de pessoas (os fariseus) que se gabava de tanta “justiça própria” que por conta de seu excessivo legalismo acabava se distanciando de Deus. Os fariseus se consideravam “demasiadamente justos”, eram sábios “aos seus próprios olhos”. Mas o conselho bíblico é de que não devemos incorrer neste grave erro. Antes, devemos reconhecer que dependemos da justiça que procede de Deus para regenerar nosso coração, pois a nossa “justiça” é incapaz de nos garantir a salvação.


Por Elvis Brassaroto Aleixo

  • Leia também



    Bíblia Apologética com Apócrifos Série Apologética Curso Teologia Online Curso Básico de Teologia Curso Médio de Teologia Curso Bacharel de Teologia
    Contato
    Siga

    © 2017 - 2019 ICP - Instituto Cristão de Pesquisas. Todos os direitos reservados