ICP Responde



Deus foi favorável à escravidão? (Êx 21.20-21)


A escravidão foi um alvitre do homem em conseqüência de sua queda.

"Se alguém ferir a seu servo [escravo], ou a sua serva [escrava], com pau, e morrer debaixo da sua mão, certamente será castigado; porém, se sobreviver por um ou dois dias, não será castigado, porque é dinheiro [propriedade] seu" (Êx 21.20-21).

De fato, Deus "permitiu" a existência da escravidão nos tempos do Antigo e do Novo Testamentos. Mas isto não significa que a escravidão foi um sistema ordenado por Deus. A escravidão foi um alvitre do homem em conseqüência de sua queda. Podemos, então, concluir que Deus permitiu a escravidão da mesma forma que Ele permite outras coisas que, igualmente, reprova - homicídios, estupros, roubos etc.

Devemos considerar que Deus trabalha dentro do falível sistema acarretado pelo pecado do homem e, como exímio conhecedor da natureza humana, o Senhor promove escapes para os fracassos do gênero humano dentro deste próprio sistema. Observamos um exemplo disto quando o Senhor Jesus diz que Deus permitiu o divórcio por causa da dureza dos corações das pessoas (Mt 19.8). O fato é que as pessoas são pecadoras e fazem coisas que contrariam a vontade de Deus. Embora as pessoas assassinem, mintam, estuprem e roubem, há circunstâncias em que Deus as utiliza para realizar seu plano divino. Moisés assassinou um egípcio, mas foi escolhido por Deus para libertar Israel. Davi cometeu adultério, mas recebeu a promessa de que o Messias descenderia de sua semente. Estes exemplos não nos ensinam que Deus está de acordo com tais atitudes, mas, antes, que Deus dá liberdade ao homem para que proceda segundo sua vontade. Entretanto, o Senhor impõe limites e diretrizes relativas a estas questões e é isto o que ocorre no tratamento com os escravos.


Por Odilon Silvestre

  • Leia também



    Bíblia Apologética com Apócrifos Série Apologética Curso Teologia Online Curso Básico de Teologia Curso Médio de Teologia Curso Bacharel de Teologia
    Contato
    Siga

    © 2017 - 2019 ICP - Instituto Cristão de Pesquisas. Todos os direitos reservados