ICP Responde



Que espécies de animais comestíveis são o solam, o chargol e o chagab (Lv 11.22)?


Para os judeus, comer gafanhotos era algo muito comum, pois podiam ser encontrados nos mercados da época.

Deus tratou da alimentação do seu povo de forma muito objetiva, organizando e separando a dieta alimentar dos judeus. Temos uma lista rigorosa de autorizações e proibições alimentares em Levítico 11. Quanto ao que poderia servir de alimentação, havia uma legislação dietética tão minuciosa que dois termos foram empregados para descrevê-la: o animal poderia ser considerado limpo (comestível) ou imundo (não comestível). Quanto ao aspecto religioso, se alguém tocasse na carne de certos animais tal pessoa era considerada imunda por todo aquele dia (Lv 11.24-27).

Os judeus classificavam os animais da seguinte forma: terrestres, marinhos, aves e insetos. É nesta última classe que se enquadram o solam, o chargol e o chagab, espécies de gafanhotos. Para os judeus, comer gafanhotos era algo muito comum, pois esses insetos podiam ser encontrados nos mercados da época. Entretanto, vale ressaltar que nem todos os gafanhotos eram comestíveis. O Novo Testamento nos mostra que João Batista comia gafanhotos e mel silvestre, mas não era uma espécie qualquer (Mt 3.4). A locusta (arbeh) foi o gafanhoto enviado por Deus ao Egito, podendo ser chamado também de gafanhoto migrador. Foi desta espécie que João Batista se alimentou. O gafanhoto devorador (solam) ainda não foi identificado com precisão, o termo significa "calvo", em referência à aparência de calvície que esta espécie apresenta. O grilo (chargol) é uma espécie de gafanhoto com cauda e corcunda. O chagab era um gafanhoto pequeno, mas destruía grandes plantações. Este o termo (chagab) é freqüentemente empregado para as espécies de gafanhotos em geral na língua hebraica.


Por Gilson Barbosa

  • Leia também



    Bíblia Apologética com Apócrifos Série Apologética Curso Teologia Online Curso Básico de Teologia Curso Médio de Teologia Curso Bacharel de Teologia
    Contato
    Siga

    © 2017 - 2019 ICP - Instituto Cristão de Pesquisas. Todos os direitos reservados