ICP Responde



A favor dos vivos interrogar-se-ão os mortos? (Isaías 8.19)


Comentário apologético: A Bíblia possui um exemplo clássico de que tais manifestações não dizem respeito a espíritos desencarnados, mas, sim, a espíritos de anjos caídos; ou seja, aqueles que acompanharam o diabo em sua rebelião (2Pe 2.4; Jd 6).

O argumento kardecista, que busca, sobretudo, amparo no episódio em que Saul consultou uma pitonisa de En-Dor (1Sm 28.7-25), traz sérias objeções a todos os que fundamentam a encarnação a partir da referência em análise.

Vejamos: a) A história é narrada por uma testemunha ocular, provavelmente um servo de Saul, um estrangeiro, e, como tal, era supersticioso e crente no erro (1Sm 28.7,8), embora o próprio Saul tivesse desterrado os médiuns e adivinhos (1Sm 28.3); b) Saul não foi entregue nas mãos dos filisteus para que o matassem “ao fio da espada”, como falsamente profetizou o falso Samuel (1Sm 28.19; 31.4); c) Não morreram todos os filhos de Saul, conforme também vaticinou o suposto Samuel (1Sm 28.19; 2Sm 2.8-10; 21.8); d) Saul não morreu no dia seguinte, mas cerca de dezoito dias depois (1Sm 28.19; 2Sm 1.1-4).

Ora, é inverossímil que Samuel, que nunca desobedecera a Deus (1Sm 12.3,4), agora, após a sua morte, viesse a declarar tantos despautérios, o que não estaria em conformidade com as profecias de alguém que fala em nome de Deus (Dt 18.22).


Curso de Apologética Online Bíblia Apologética com Apócrifos Série Apologética Curso de Teologia On-line Curso Básico de Teologia Curso Médio de Teologia Curso Bacharel de Teologia

ICP - Instituto Cristão de Pesquisas. Caixa Postal 64.098 - CEP 22011-970 - Rio de Janeiro - RJ © Todos os direitos reservados. 2021


Ícones feitos por Freepik from www.flaticon.com